Você tem medo de viajar de avião? Voe com medo mesmo

Uma em cada sete pessoas morre de ataque cardíaco ou câncer, enquanto apenas uma em cada 8.357 é vítima fatal de um acidente aéreo.

0
355
Você já sentiu medo de andar de avião?
Você já sentiu medo de andar de avião?

Louise Vernier e Rita Trevisan do UOL, em São Paulo

De acordo com o levantamento Injury Facts, realizado pelo Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos, em 2014, uma em cada sete pessoas morre de ataque cardíaco ou câncer, enquanto apenas uma em cada 8.357 é vítima fatal de um acidente aéreo. Porém, ainda que o meio de transporte seja um dos mais seguros que existem, muitas pessoas têm medo de viajar de avião.

Segundo a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), a fiscalização da segurança das aeronaves é prioridade e vai além das ações observadas nos saguões dos aeroportos. Atualmente, todos os aviões têm de ser certificados e os procedimentos adotados pelas empresas de aviação e aeroportos precisam ser habilitados pela agência.

Além disso, há todo um cuidado em relação a quem estará pilotando a aeronave. A ANAC exige um total de 1.500 horas de voo para conceder uma licença de piloto de linha aérea, o que corresponde a 62 dias completos no ar.

Para quem não se contenta com números e estatísticas, a boa notícia é que é possível superar a fobia de avião. “O cérebro é capaz de recondicionar o medo. A amídala cerebral, estrutura que funciona mais ou menos como a memória do medo, é reprogramada quando o indivíduo enfrenta a situação. Aos poucos, a pessoa passa a se sentir mais tranquila e segura, até que o problema é completamente resolvido”, afirma o psiquiatra Luiz Vicente Figueira de Mello, supervisor do Programa Ansiedade do IPQUSP (Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo).

Porém, é importante diferenciar o medo da fobia. “Ao contrário da fobia, o medo não impede o indivíduo de realizar as suas atividades. Então, mesmo se sentindo desconfortável, a pessoa que sente medo tentará enfrentá-lo”, explica o psicólogo Julio Peres, especialista em Neurociência e Comportamento pelo IPUSP (Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo).

Já as fobias, que são muito mais limitantes, geralmente, estão associadas a acontecimentos passados, em que a pessoa experimentou significativo medo. Conforme explica Peres, locais, situações e sensações ligados ao fato podem disparar a memória do evento, ativando mecanismos de alerta, que indicam que o episódio traumático está para acontecer novamente, gerando sensações desagradáveis.

No caso da fobia de avião, de acordo com o psiquiatra Luiz Vicente Figueira de Mello, as causas podem ser divididas em três categorias: a fobia de avião propriamente dita, a agorafobia e a claustrofobia.

No primeiro caso, a pessoa tem pavor da possibilidade de estar no avião e algum acidente acontecer. Já o segundo tipo de fobia, muito confundido com o primeiro, está relacionado ao medo de passar mal enquanto estiver voando. “A pessoa tem receio de ter uma síncope dentro do avião”, afirma o psiquiatra. Por fim, quem é claustrofóbico pode evitar o meio de transporte com temor de ter uma crise por se sentir preso e sem alternativa de deixar a aeronave.

Segundo Neuza Corassa, psicóloga do Centro de Psicologia Especializado em Medos, nem todo mundo necessita de terapia para vencer a fobia, mas é importante organizar um plano para trabalhar a questão, o quanto antes. O primeiro passo para alcançar o controle é buscar o autoconhecimento, a fim de descobrir e atacar o foco do medo. “Ler sobre o assunto e prestar atenção em si mesmo, principalmente quando o medo surge, são boas estratégias”, diz Neuza.

Estratégias certeiras

Outra recomendação é enfrentar o sentimento de maneira progressiva. “O indivíduo deve passar a conviver gradual e repetitivamente com o ambiente do aeroporto. Primeiro, ele faz uma visita ao local; depois, leva ou vai buscar algum familiar que foi viajar e, na sequência, embarca para uma viagem de curta distância. Aos poucos, estará fazendo longas viagens. Mas é importante que voe mais de uma vez”, declara Mello.

Durante esse processo, é válido resgatar o repertório de vitórias, como conquistas no campo familiar, profissional, acadêmico. “Essas recordações ajudam a fortalecer a autoimagem de pessoa corajosa e vencedora”, afirma Peres.

Programar-se para chegar com antecedência também é uma boa estratégia. Isso porque a ocorrência de atrasos ou contratempos costuma aumentar muito o nível de ansiedade.

Dentro da aeronave, procure imaginar que a viagem terá início, meio e fim, e que o destino lhe proporcionará coisas boas, como entretenimento ou excelentes negócios. E, por fim, não brigue com o medo. “A fobia de avião é um transtorno leve e que pode ser superado. Muitas pessoas perdem excelentes oportunidades na vida, tanto no que diz respeito ao lazer quanto ao trabalho, por conta do medo. Mas não vale a pena trocar de emprego, por exemplo, só por causa disso. É muito melhor procurar ajuda”, declara Mello.

Tratamentos específicos

Quem não consegue lidar com a fobia sozinho pode contar com o apoio de especialistas. Alguns, inclusive, desenvolveram tratamentos específicos para quem tem medo de avião. É o caso da psicóloga Neuza Corassa. “A duração do tratamento varia de acordo com o paciente, mas leva, em média, de 12 a 14 sessões”, explica a especialista.

Neuza realizada atendimentos para diagnosticar a causa da fobia e tratá-la. Depois, acompanhado da psicóloga, o paciente faz visitas ao aeroporto para se familiarizar com o local. Mas, para receber alta, ele precisará encarar a prova de fogo: voar de Curitiba (PR), onde fica o consultório da psicóloga, a São Paulo (SP).

“A viagem pode ser feita em minha companhia ou na companhia de alguém que o paciente escolher. Em muitos casos, voamos, almoçamos em um restaurante em São Paulo e, na sequência, voltamos. O importante é vivenciar a experiência do voo de maneira tranquila”, explica Neuza.

OUTRAS DICAS QUE VÃO LHE AJUDAR

Antes da Viagem

Ter dias tranquilos antes da viagem te ajudará a ficar menos ansioso. Para garantir isso, se organize de modo que todos os preparativos sejam feitos com antecedência e tranquilidade, assim você não terá preocupações no dia. Além disso, tenha uma boa noite de sono e use roupas confortáveis para viajar, pois se sentir incomodado no avião deixará o voo ainda mais desagradável. Também é aconselhável evitar cafeína para não ficar muito agitado.

Ou seja, faça de tudo para garantir que o dia da viagem não terá estresse e que você conseguirá chegar ao avião se sentindo o mais calmo possível.

No aeroporto

Chegue ao aeroporto com antecedência e já leve os documentos separados para não correr o risco de ter problemas antes da viagem. Ande pelo terminal para se ambientar e procure distrações como lojas ou cafés. Além disso, uma boa dica é observar a calma dos demais passageiros.

Dentro da aeronave

Sente no corredor

Assim, você conseguirá esticar as pernas e levantar para dar uma volta com mais facilidade. Além disso, sentando na janela você vai acabar olhando para fora e isso pode causar mais medo.

Converse com os comissários de bordo

Não se incomode em falar para os membros da tripulação que você tem medo de avião. No geral, eles são treinados para lidar com essas situações e costumam ser bem atenciosos. Caso se assuste com algo que parece parece estranho, converse com os comissários de bordo que eles explicarão o que é aquilo e, se for o caso, esclarecerão que não há nada de errado ou que a tripulação está treinada para lidar com está acontecendo.

Faça atividades que te distraiam

Uma das melhores opções é ter alguém para conversar, assim, se você não estiver acompanhado, observe se a pessoa ao lado parece receptiva e tente puxar assunto. Talvez valha a pena explicar seu medo, pois isso pode fazer com que ela queira te ajudar. Outros bons recursos para não ficar pensando no voo são ler um livro interessante, ouvir músicas relaxantes ou jogar um jogo. Para quem gosta, as clássicas cruzadinhas são uma boa recomendação, já que elas mantém as pessoas bem concentradas.

Passe longe de bebidas alcóolicas

A pressão do ar dentro do avião acelera os efeitos do álcool e deixa as pessoas bêbadas mais rápido. Tome cuidado, pois ficar embriagado nessa situação pode lhe causar ainda mais medo de voar.

Entenda melhor o avião

É interessante conhecer o funcionamento da aeronave para perceber que ela não é um meio de transporte perigoso. Compreender que existe um enorme planejamento por trás do que acontece pode diminuir o medo, já que por vezes ele nasce da dúvida de como algo tão grande consegue ficar no ar sem cair. Assim, esclarecer seus questionamentos pode deixá-lo mais tranquilo e confiante quanto à capacidade da aeronave.

É seguro viajar de avião

Se desconsiderarmos o elevador, primeiro colocado da lista, o avião é o meio de transporte mais seguro do mundo. Lembre-se de que a chance de sofrer um acidente andando de carro é muito maior do que viajando em uma aeronave.

Turbulências

Segundo Patrick Smith, piloto e blogueiro que escreveu o livro “Cockpit Confidential”, no geral as turbulência não afetam em anda a segurança do voo. Os aviões são feitos para suportá-las, de maneira que quando os pilotos tentam sair de uma turbulência sua maior preocupação é, na realidade, acalmar os passageiros e evitar que as bebidas caiam no chão. Um dos maiores riscos quando o avião balança muito diz respeito aos passageiros que não estão sentados com os cintos de segurança afivelados, afinal, os movimentos bruscos da aeronave podem fazer com que eles batam em algo ou caiam e se machuquem. Se ainda assim você sabe que o frio na barriga vai aparecer quando o avião começar a tremer, escolha um assento próximo às asas, parte mais estável da aeronave.

Certas coisas são mais comuns do que você imagina

Diversos acontecimentos que você pode achar estranhos são absolutamente normais em viagens de avião. É comum que as asas da aeronave balancem e que o motor diminua em alguns momentos durante a viagem, por exemplo. Além disso, aquelas “silver tapes” que você vê coladas na asa do avião e te enchem de temor, na verdade são “speed tapes” utilizadas para remendar componentes superficiais e que não apresentam risco nenhum. Elas são permitidas pela legislação e suportam uma enorme variação de temperatura, além de custarem milhares de dólares.

Dicas não são o suficiente?

Se mesmo seguindo tudo isso seu medo continua forte, a melhor opção é procurar ajuda especializada. Existem diversos profissionais que podem te auxiliar, além de empresas que desenvolveram cursos específicos para pessoas que sofrem com medo de avião.

Fontes: Terra, Aeroporto Guarulhos

Booking.com

Deixe uma resposta