terça-feira, 21 agosto, 2018
Suba na Pedra do Telégrafo (RJ) e tire fotos ‘arriscadas’

Suba na Pedra do Telégrafo (RJ) e tire fotos ‘arriscadas’

Quem aí confia no namorado o suficiente para tirar essa foto?

0
872

 

As fotos maravilhosas em um penhasco e com o mar de plano de fundo que estão rodando pelas redes sociais sempre me intrigaram e nos deixaram com vontade de conhecer o local. Por isso, na última visita ao Rio de Janeiro, decidimos fazer a tão famosa trilha até a Pedra do Telégrafo.

Achar um visual exuberante na Cidade Maravilhosa não é uma tarefa difícil, mas dedicar tempo para ir até a Zona Oeste da cidade vale muito a pena. Localizada no bairro de Barra de Guaratiba, a pedra tem atraído muitos turistas julgados como corajosos, já que  se “arriscam” para tirar fotos ousadas no suposto abismo com uma pequena rocha deslocada. 

TELEGRAFO-TEXTO-5
© RoadTrio TELEGRAFO

Bom, isso tudo não passa de uma ilusão de ótica. Calma, te explicamos. Sim, de fato a Pedra do Telégrafo fica em um penhasco a 354 metros de altura na margem das praias selvagens e protegidas da Restinga de Marambaia. Do alto também é possível observar as praias do Meio e Funda, que fazem parte das praias Salvagens, a Baía de Sepetiba, a Praia de Grumari e até a silhueta da também famosa Pedra da Gávea.

Para chegar lá é necessário fazer uma trilha de cerca de 40 minutos, não muito ingrime, mas que exige o mínimo de condicionamento físico, roupas confortáveis e protetor solar. Apesar de não ser sinalizada, não senti a menor necessidade de fazê-la acompanhada de um guia. Fique tranquilo quanto a isso.

O percurso começa na escadaria da Igreja Nossa Senhora das Dores e é conhecido como Caminho dos Pescadores. Ele é cheio de pequenos mirantes e, após passar pouco mais da metade do caminho, é possível fazer uma pausa em uma grande pedra que fica a esquerda da trilha e já oferece um visual de encher os olhos: mar azul, uma pequena faixa de areia e muita vegetação.

TELEGRAFO-TEXTO-1
© RoadTrio TELEGRAFO

Chegando lá, finalmente nos deparamos com a Pedra e uma pequena fila de pessoas dispostas a fotografarem nas mais criativas posições.

Aqui está o segredo: apesar do penhasco, existe um platô abaixo da Pedra de cerca de dois metros de altura que permite as imagens com ângulo perfeito e o efeito vertiginoso. As pessoas ficam de pé no platô e se seguram na pedra apenas na hora do clique.

MAIS SOBRE O RIO DE JANEIRO

Parapente no Rio de Janeiro: veja tudo sobre o voo

Hotel Mar Palace Copacabana é o ‘queridinho fitness’

Mas, apesar disso, o local oferece sim alguns perigos. Esse platô não é muito largo e logo se funde ao precipício. Por isso, é preciso sim ter muito cuidado para não pisar fora do espaço seguro. Para evitar possíveis acidentes, a administração do Parque Estadual da Pedra Branca vai fazer uma ação de ordenamento com sinalização para auxiliar na conduta dos visitantes.

TELEGRAFO-TEXTO-3
© RoadTrio TELEGRAFO

| Curiosidade

A verdadeira Pedra do Telégrafo não é a da foto, apesar de ser nacionalmente conhecida assim. Ela fica um pouco mais acima da trilha, é possível chegar até ela, mas não dá para subir.

Antigamente ela era usada como abrigo pelos militares na Segunda Guerra Mundial e por isso tem uma bandeira do Brasil no topo. Esse nome foi dado pelos moradores da região naquela época. A pedra das fotos, na verdade, chama Pedra do Cavalo.

| Como chegar

De carro: Estava hospedada em Copacabana, então fui de carro até lá e demorei cerca de 40 minutos para chegar – o bairro fica aproximadamente a 50 km do centro do Rio de Janeiro. Se você buscar no Waze “pedra do telégrafo”, ele vai te levar até a Praia Grande, no “centrinho” de Barra de Guaratiba. A estrada Roberto Burle Marx é estreita e cheia de restaurantes pequenos que oferecem pratos de frutos do bar bem baratos. Ótima opção para recuperar as energias na volta da trilha.

Chegando no centrinho, vá até o ponto onde ficam os mototáxi, na Rua Almirante Carlos Tinoco. Eles cobram R$ 7 para te deixar em um ponto um pouco mais alto (cerca de 1/3 da trilha), ou você pode seguir por essa rua estreita de carro até chegar no único estacionamento (R$ 10) e deixar o carro lá para começar a trilha a pé. Indico fazer a trilha completa, claro.

De ônibus: Saindo da Zona Sul, pegue o ônibus 867 (Barra de Guaratiba x Campo Grande). Pegue-o na Rodoviária de Campo Grande e desça apenas ponto final, na praia de Guaratiba. Saindo da Barra ou Zona Sul, pegue o  BRT no Terminal Alvorada e siga até a estação Ilha de Guaratiba. Depois disso, pegue o ônibus 867, que segue até a Praia Grande, principal praia da região e parada terminal da linha 867.

| Melhor horário

O ponto está sendo cada vez mais procurado por turistas. Por isso, é recomendável que você chegue cedo para evitar a longa fila que se forma para tirar a foto. Como a criatividade rola solta, as pessoas não se contentam apenas com um clique e, por isso, a sua vez pode demorar ainda mais para chegar. Evite finais de semana e lembre-se de carregar uma garrafa de água já que não é possível encontrar vendedores ambulantes no topo da trilha.

Booking.com

Deixe uma resposta

Translate »