Startups tecnológicas europeias têm acesso a 723 milhões de euros

A Atomico, sociedade de capital de risco, anunciou hoje que constituiu um fundo no montante de 765 milhões de dólares (723 milhões de euros), para investir em 'startups' tecnológicas na Europa, nomeadamente portuguesas.

0
235

Em declarações à agência Lusa, a ‘partner’ da Atomico, Carolina Brochado, explicou que “a sociedade vai investir o valor deste fundo em empresas tecnológicas que apresentem produtos e soluções no mercado e que precisem de capital para criar valor com o objetivo de escalar por forma a tornarem-se líderes globais dos setores onde atuam”.

As ‘startups’ portuguesas estão também “na mira do fundo”, depois de “Portugal ter demonstrado grande potencial na criação de ‘startups’ [empresas em início de atividade] globais e na sequência do investimento feito em empresas portuguesas, como foi o caso da Uniplaces”, esclareceu a responsável da Atomico pelo mercado Ibérico.

Em simultâneo, a Atomico criou uma equipa de especialistas com elementos que trabalharam em empresas de maior crescimento em todo o mundo, como o Facebook, Google, LastMinute.com, Skype, Spotify, Uber e Virgin, para ajudar as ‘startups’ a potenciarem o seu valor.

Nesse sentido, o valor deste fundo, o quarto lançado pela Atómico, denota “a confiança que existe no modelo de criação de valor”, disse Carolina Brochado à Lusa, lembrando que a Atomico reuniu, mais precisamente, “duas equipas de classe mundial”.

Uma equipa é especializada em investimento e a outra equipa é constituída por elementos de criação de valor, com ex-colaboradores de algumas das empresas de maior crescimento em todo o mundo.

Para a ‘partner’ da Atomico, as grandes empresas tecnológicas europeias “não surgem apenas de Berlim , Londres ou Estocolmo , mas também de novos centros tecnológicos como é o caso de Lisboa”.

Em 2016, Portugal assistiu a “uma grande evolução no investimento tecnológico”, reconheceu Carolina Brochado, sendo que este investimento “foi ainda maior” ao receber a ‘Web Summit’ e ao criar o seu próprio evento a ‘Lisbon Summit’, disse.

“Na Atomico, orgulhamo-nos de já sermos parceiros de empresas disruptivas como a Uniplaces e vamos continuar a investir em empreendedores ambiciosos em Portugal que estejam preparados para expandir as suas empresas e serem vencedores globais”, salientou.

Adicionalmente, através da sua equipa de investimento e extensa rede de contactos, a Atomico vai trabalhar de perto com alguns dos mais bem-sucedidos empreendedores na Europa, incluindo fundadores de empresas que hoje valem 6,0 mil milhões de dólares, com o objetivo de encontrar algumas empresas da próxima geração.

Este fundo — Atomico IV — é também “um sinal de confiança nestes fundadores europeus” que, apesar de terem angariado no último ano 14.000 milhões de dólares em mais de 2.400 rondas de investimento, enfrentam um défice de fundos quando estão prontos para escalar, refere a empresa em comunicado.

A Europa conta, atualmente, com 4.700 milhões de profissionais que geraram mais de 100 mil milhões de dólares em fusões e aquisições tecnológicas, num mercado que assistiu a mais de 30 Ofertas Públicas de Aquisição (OPA) só no último ano, sem que a amplitude e qualidade dos fundos acompanhasse o processo.

Ao apoiar empresas que estão prontas para se expandirem a nível global, o Atomico IV vai ajudar a compensar esta disparidade por ter a capacidade para investir logo a partir da primeira ronda e durante todo o percurso da empresa.

O anterior fundo de investimento da Atomico – Atomico III — fechou em 2013 com 476.6 milhões de dólares.

Booking.com

Deixe uma resposta