Startup Lisboa e Central de Cervejas lançam nova incubadora no Chiado

Acordo entre a Câmara Municipal de Lisboa, Startup Lisboa e a Central de Cervejas foi assinado esta quinta-feira. Nova incubadora vai focar-se em projetos na área da comida e bebida.

0
289
François-Xavier Mahot, CEO da Central de Cervejas, Miguel Fontes, diretor da Startup Lisboa, e Duarte Cordeiro, vice-presidente da Câmara de Lisboa, assinam o acordo HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

A Câmara Municipal de Lisboa, a Startup Lisboa e a Central de Cervejas assinaram esta quinta-feira um memorando de entendimento para lançar uma incubadora para empresas área da alimentação (negócios ligados a comida e bebida), em pleno Chiado, ao lado da Cervejaria Trindade. Os valores da operação não foram revelados.

No dia em que a Startup Lisboa comemorou os 5 anos de existência, o diretor Miguel Fontes lembrou que este era mais “um marco na história” da incubadora que nasceu de um orçamento participativo, em 2012. Já o líder da Central de Cervejas, François-Xavier Mahot, disse que a incubadora “vai ser um centro de atividade para o mundo da cerveja em Portugal”. “Para nós, é um privilégio fazer este projeto”, acrescentou.

Depois de as três entidades terem assinado o memorando, o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, sentaram-se numa mesa com cinco empreendedores da casa, onde o governante (que também é ex-diretor da Startup Lisboa) recordou como foi “matando algumas ideias” que lhe apareceram enquanto esteve à frente da incubadora.

Uma das maiores lições que aprendi na Startup Lisboa é que a ideia é de longe a coisa mais importante num negócio. A execução vale mil vezes mais do que a ideia”, afirmou João Vasconcelos

Explicando que isso fez com que a incubadora se tornasse “num repositório de know-how“, João Vasconcelos lembrou que, nos últimos cinco anos, “a cidade se tinha aberto ao mundo” e que tudo “tinha mudado muito depressa”. “Na altura, tinha de andar sempre a explicar o que é uma startup”, disse.

Fernando Medina aproveitou o momento para referir que “é normal que 95% das empresas não existam daqui a um ano, é normal que falhem”, mas que é preciso “dar força a quem tenta e não a quem vence”, referiu. “Se vencerem, ótimo. Mas se não vencerem é importante dar força ara continuarem a tentar”, disse o presidente da Câmara Municipal de Lisboa

Fernando Medina lembrou que o “grande desafio” da cidade, neste momento, é percebê-la. “É uma cidade com horizontes extraordinários pela frente. Temos de perceber o momento em que estamos”, referiu.

A Startup Lisboa nasceu de uma ideia do orçamento participativo da cidade e, em cinco anos, apoiou mais de 250 projetos, tendo contribuido para a angariação de cerca de 80 milhões de euros de investimento. Recebeu mais de 3500 candidaturas, apoiou empreendedores de mais de 35 países e contribuiu para a criação de mais de 1500 postos de trabalho.

Booking.com

Deixe uma resposta