Brasileira, “Uber” dos caminhões faz sucesso e atrai investidores como Qualcomm Ventures e Goldman Sachs

A corrida entre as startups norte-americanas para levar tecnologia ao setor de caminhões está a todo vapor, com dezenas de milhões de dólares sendo arrecadados e gigantes, como a Amazon e o Uber, na competição. Mas, no Brasil, o empreendedor Federico Vega está feliz por construir sua própria empresa, a CargoX, que tem receita anual de US$ 200 milhões, fora dos holofotes.

0
206

Se Vega não tivesse fundado o negócio no Brasil, seu sucesso o tornaria uma figura de destaque entre os maiores do ramo. Desde o lançamento, em 2011, a CargoX cresceu e se tornou uma das dez maiores companhias do mercado de caminhões do país e a terceira maior do mundo, com 2,6 milhões de veículos na estrada. Quando uma empresa como a Unilever precisa mover uma carga inesperada no país, ela pode reservar motoristas por meio do aplicativo da CargoX. A startup se responsabiliza pelo transporte, pelos riscos e pelo seguro. Em troca, recebe uma parcela de 15%.

“Nos EUA, as pessoas querem criar o próximo Facebook mas, na América Latina, ainda existem setores que não recebem atenção”, diz o empreendedor. “Eu achei que o fato de ser latino-americano me ajudaria. E tinha o conhecimento tecnológico para tornar a ideia possível.”

Os laços de Vega com o Brasil não são naturais, mas o fundador da companhia tem o hábito de aceitar novos desafios e localidades. Quando era um jovem estudante, mudou de uma pequena cidade na Patagônia para a capital da Argentina, Buenos Aires, viajando cerca de 1.450 km de bicicleta. Depois, foi para a Espanha e, novamente de bicicleta, seguiu para a Inglaterra, onde conseguiu um emprego em Norwich para consertar esse tipo de veículo. Por lá, conquistou um diploma de pós-graduação na Universidade de Southampton. Depois de trabalhar por três anos no JP Morgan, decidiu começar um negócio de mudança de pequenas casas. O chefe de Vega disse que investiria o mesmo valor que ele. Motivado, o empresário vendeu seu apartamento em Londres para cuidar do projeto.

Quando o negócio evoluiu para a CargoX, Vega percebeu que a oportunidade de mercado na América Latina estava no Brasil, mas os investidores brasileiros ignoraram o argentino por causa da crise econômica. O empreendedor começou, então, a visitar Nova York para atrair investidores, e acabou seduzindo o Grupo Valor Capital e do cofundador do Uber, Oscar Salazar. Com o impulso de Salazar, Vega foi introduzido ao que era uma startup capaz de fornecer um serviço semelhante ao Uber, uma espécie de transporte de carga compartilhado. O diferencial da CargoX é que ele pode oferecer maior eficiência para os próprios caminhoneiros, que dirigem os veículos vazios 40% do tempo, explica Vega. Para a empresa contratante, a oferta é de flexibilidade, ou seja, escalar mais ou menos caminhões, de acordo com a necessidade.

A CargoX pode não ser um nome popular nos EUA, mas recebeu mais investidores norte-americanos desde então. Qualcomm Ventures e Goldman Sachs investiram na companhia, nos últimos meses, um total de US$ 34 milhões, além de dar condições para uma expansão de equipe de 250 para 400 funcionários até o fim do ano.

“O mercado caminhoneiro do Brasil representa uma oportunidade multibilionária e acreditamos que a tecnologia excepcional da CargoX, combinada com um time de execução forte, pode aumentar a eficiência dos motoristas de caminhão e dos remetentes”, disse a Goldman Sachs em um pronunciamento sobre o investimento. “A CargoX teve um crescimento impressionante desde o nosso investimento original em 2016, e estamos animados sobre o potencial de incremento no futuro.”

Apesar da esperança da startup de se tornar uma das cinco maiores operadoras de caminhão no Brasil nos próximos meses, diz Vega, a companhia ainda controla menos de 3% do mercado, o que significa que tem um longo caminho pela frente. O empresário vê isso de forma positiva: com apenas esse nível de penetração, a CargoX conseguiu quase que duplicar sua receita anual, de US$ 115 milhões para US$ 200 milhões no último ano. Se a companhia continuar a crescer dessa maneira, o valor pode chegar a US$ 1 bilhão em 2021.

Existe uma competição muito mais feroz à espreita caso a Cargo X vá para os EUA no futuro, onde os investidores operam. A grande oportunidade para startups que chegam ao setor caminhoneiro não é segredo no Vale do Silício.

O mercado movimentou mais de US$ 726 bilhões de receita bruta em 2015, com mais de 10 bilhões de toneladas em carga, e empregou 3,5 milhões de motoristas. O Uber reconheceu esse potencial há anos e, depois de algumas falhas, seus caminhões autônomos finalmente estão operando para algumas compras reservadas no aplicativo Uber Freight. Próxima à Amazon em Seattle, a startup Convoy arrecadou US$ 62 milhões em julho de 2017, conseguiu uma parceria com a Anheuser-Busch e tem o apoio de Jeff Bezos e Bill Gates. E outras, como a KeepTruckin, têm levantado seus próprios milhões para focar no rastreamento de frotas de caminhões e no registro de rotas.

Vega diz que, tipicamente, uma ou duas startups se diferenciam em cada grande mercado globalmente, mas a competição internacional ainda vai demorar anos. A CargoX planeja entrar em outros mercados da América Latina neste ano, mas não espera chegar aos Estados Unidos tão cedo. “O Brasil já é complexo e complicado demais… Ir para os EUA seria difícil”, diz ele.

Agora, o foco da companhia está na contratação – assim como no Vale do Silício, mas, por razões diferentes, talentos de engenharia são difíceis de encontrar no país. “Contratar é a minha grande prioridade”, diz o empreendedor. Mas, em relação à qualidade do produto, Vega garante que a CargoX está no mesmo pé de igualdade que seus pares norte-americanos. “Isso pode ser surpreendente, mas não acho que as companhias dos EUA tenham uma tecnologia melhor”, diz. “Nós começamos primeiro.”

Booking.com

Deixe uma resposta